Hetalia: Axis Powers - LiechtensteinHetalia: Axis Powers - Liechtenstein Geekly Chic: Outubro 2013

Caminhada seca os pneuzinhos da barriga

           
Isso mesmo que você ouviu! Além de ser uma das mais eficientes atividades aeróbicas para ganhar saúde e disposição, pesquisadores da Universidade Louisiana State, nos Estados Unidos garantem que duas horas e meia de caminhada por semana com uma dieta pouco calórica pode diminuir até 2,5 centímetros de barriga em apenas quatro semanas.
Essa notícia é mega ótima, mas é necessário fazer caminhada corretamente. Por isso trouxe algumas dicas para que sua caminhada realmente funcione.

  1. Não basta fazer uma vez por semana, ou fazer uns dias e depois parar. É necessário força de vontade, e fazer da caminhada um hábito. O ideal é faze-la todos os dias da semana, descansado apenas sábado e domingo. Só assim trará resultados satisfatórios e progressivos.
  2. Caminhar da forma correta. Essa é a regra desafiadora, se não cumprir, todo seu esforço vai por água abaixo. A maneira certa de caminhar é: dar passadas médias, nem muito curtas, nem muito longas; o seu calcanhar deve ser o primeiro a tocar no solo, e só depois a planta do pé; mantenha o abdômen contraído, para que a coluna fique ereta; os braços ficam semiflexionados paralelos ao corpo; e por fim olhe sempre para o horizonte, nunca para os lados.
  3. Respire e inspire naturalmente. Inspire pelas narinas e solte o ar pela boca. Nunca fique segundos sem respirar para não dificultar a oxigenação do seu corpo e provocar problemas sérios.
  4. Alimente-se bem. Uma hora antes da caminhada, faça uma refeição saudável que sejam fontes de carboidratos para ter mais energia. Após 15 minutos do termino da caminhada faça refeições balanceadas, com um grupo de cada de cada nutriente, para recuperar o fôlego e alimentar o músculo.
  5. Beba água. Durante a caminha é necessário beber um copo de água a cada 20 minutos para repor os minerais perdidos com o suor.

Receita caseira para clarear manchas escuras no rosto

Hello girls! Você sabe o que é Melasma?
Melasma é um distúrbio pigmentar da pele, caracterizada por manchas escuras na pele. Ocorre principalmente no rosto, mas pode aparecer em outras partes do corpo.
Papo de hoje traz 2 receitas caseiras para combater manchas causadas com o tempo, manchas causadas pelo excesso de exposição ao sol, por medicamentos, gravidez, entre outros fatores. Bora conferir?


1 Receita 

Você vai precisar de:

  • 2 clara de ovos
  • 1 colher (chá) de óleo de amêndoas
  • 2 colher (sopa) de mel
  • Suco de um limão
Como fazer:
Misture os ingredientes em uma vasilha, depois com um pincel aplique sobre a pele úmida e limpa, evitando a área dos olhos. Deixe agir por 15 minutos e enxágue bem com água fria, cuidado para não deixar nenhum vestígio de limão na pele.


Resenha: A Culpa É Das Estrelas

A Culpa É Das Estrelas
A Culpa É Das Estrelas - John Green
Editora: Intrínseca.


 “A culpa, meu caro Bruto, não é de nossas estrelas / Mas de nós mesmos, que consentimos em ser inferiores.”* – Júlio César, de Shakespeare


As palavras de Shakespeare parecem perfeitas, mas não para os personagens deJohn Green. Para ele, nem todos são responsáveis por seus próprios sofrimentos, apenas tiveram muito, muito azar. E essa é a história de Hazel e Augustus…
Quando me dei esse livro de presente, em outubro do ano passado, estava sendo corajosa – muito corajosa. Isso porque não aguentava mais as pessoas idolatrando o livro à exaustão, a ponto de eu ter calafrios só de ouvir falar ou ler sobre o assunto.
Enfim, quase dez meses se passaram e, finalmente, parece que estava entrando no clima da leitura. Respirei fundo, deixei toda e qualquer expectativa de lado, e me joguei em A Culpa É Das Estrelas.
Hazel Grace – Só Hazel, por favor! – tem 16 anos e há 3 luta contra um câncer terminal que, apesar de encolhendo, não lhe dará mais que alguns anos de vida. Ela abandonou a escola há algum tempo e passa as tardes assistindo America’s Next Top Model, o que não quer dizer que ela seja totalmente infeliz.
A verdade é que Hazel há muito tempo aceitou seu destino, e a única coisa que a deixa preocupada, magoada e, principalmente, culpada, é a forma como seus pais precisam encarar esse grande desafio. Isso e a chatice de ter que ficar carregando um cilindro de oxigênio pra todos os lados.
As coisas começam a mudar em sua vida quando, por insistência da mãe, ela vai à reunião de um grupo de apoio para jovens com câncer. Não era sua primeira vez, claro. Já estava acostumada com o ambiente meio esquisito e o discurso otimista, mesmo para os que não tinham mais chances… Mas era a primeira vez de Augustus Waters.
Gus é lindo e tem sua própria cota de sofrimento, tendo perdido uma perna por conta do câncer. Ele é amigo de Isaac, um menino cego com quem Hazel dividia suspiros irônicos durantes as reuniões, e acaba se aproximando da menina. E é claro que daí nasce um relacionamento bastante real, com aspectos dramáticos e muitos momentos fofos.
Uma das coisas que a menina mais ama na vida é um livro chamado “Uma Aflição Imperial”, que termina no meio de uma frase, deixando muitas questões em aberto. Fã incondicional do autor, Hazel sonha em descobrir o que aconteceu – só assim sua vida poderia seguir completa. Mas o autor nunca respondeu nenhuma de suas cartas.
Com um empurrãozinho da doença, Gus e Hazel acabam em uma aventura meio surpreendente [e essa é a parte que achei menos crível do livro] para encontrar Peter Van Houten, o autor. E essa é só uma das várias reviravoltas da história, que acabou me prendendo durante cada página, até o fim.
O livro é completamente fofo e emocionante. Não é exagerado, mas acho que justamente o contrário – uma vez ou outra sinto que faltou uma profundidade nos sentimentos, talvez culpa da narrativa em primeira pessoa. Diferente da caricatura que poderíamos encontrar, achei os personagens muito bem construídos – apesar de não tão profundos quanto imaginei.
Hazel é forte (ou finge muito bem), preocupada com os outros mais do que consigo mesma, com um humor ácido e ótimas doses de ironia. Gus é fofo, inteligente e muito cativante, tornando as interações ainda mais bacanas. Sem contar o humor negro que permeia muitas partes da narrativa.
O livro me envolveu de uma forma despretensiosa. Não foi algo extremamente arrebatador, mas conseguiu mexer comigo não só pela situação que aqueles jovens – Gus, Hazel, Isaac e todos os outros – viviam, mas pelas famílias e todos ao redor. Foi uma leitura muito mais intensa que Looking For Alaska, primeiro livro que li do autor, que, apesar de bom, não chega ao nível de envolvimento desse.
John Green conseguiu me pegar COMPLETAMENTE desprevenida, numa das melhores reviravoltas de trama que li nos últimos tempos. Sem exageros, não esperava o que ele fez. Partiu meu coração em um milhão de pedacinhos… Mas sabia que aconteceria, isso precisava ser feito. Pacientes terminais morrem. É a vida. É a crueldade do destino. A culpa das estrelas.
Para quem ama histórias fofas, apesar de dramáticas, bem escritas e envolventes esse livro é uma ótima pedida. Mas aconselho que façam como eu: com calma, sem expectativas. Deixe Hazel, Gus e John Green surpreenderem você. :)
Oh, não costumo colocar citações em resenhas, mas essa resume bem o espírito da protagonista e da história: “Há dias, muitos deles, em que fico zangada com o tamanho do meu conjunto ilimitado. Eu queria mais números do que provavelmente vou ter.” (p.235)